Como diferentes tipos de garrafas impactam na capacidade da sua adega

Por Luís Antônio Hangai

05/02/2022 00:00:00

05 fev 2022
Alternate Text

Embora as adegas de vinho climatizadas usem a garrafa padrão de 750ml como unidade básica para medir sua capacidade, existem muitas outras formas de engarrafar a bebida

 

Quando um apreciador de vinho expande sua coleção e precisa encontrar meios de conservar apropriadamente seus rótulos, é comum que busque por soluções práticas e econômicas como as adegas de vinho climatizadas. Na hora de adquirir o equipamento, um dos fatores chaves a ser levado em consideração é a quantidade de garrafas que ele comporta. Cada consumidor busca um modelo que atenda suas necessidades.

No mercado é possível encontrar uma grande variedade no que diz respeito à capacidade, em número garrafas, das adegas de vinho climatizadas (de poucas até centenas de unidades). Porém, na maioria esmagadora dos casos, a unidade padrão utilizada para se medir a capacidade de armazenamento é uma só: a garrafa Bordeuax de 750ml, também conhecida como bordalesa, de ombros altos e acentuados e bojo cilíndrico.

Adega de vinho e garrafas

O apreciador de vinho que adquire uma adega com capacidade para 120 garrafas, deve saber que se trata de 120 garrafas tamanho padrão (Bordeuax). Ocorre que o universo do vinho não se limita a um só tipo de envasamento. Existe hoje uma grande pluralidade em tipos, tamanhos e formatos de garrafas. Outras bebidas, como espumante e champagne, também são comercializadas em recipientes diferentes das bordalesas.

Se em sua coleção se encontra essa diferença, é provável que a capacidade de 120 garrafas funcione como uma média, podendo o número exato ser maior ou menor, de modo a acomodar garrafas de diferentes dimensões.

Não há necessidade de se preocupar “se essa ou aquela garrafa cabem lá dentro da adega”. As prateleiras e os compartimentos de um produto Benmax, por exemplo, não são rígidas ou incompatíveis. Em seu interior pode-se acomodar qualquer tipo de garrafa. Tudo que você precisa fazer é o arranjo para que os diferentes recipientes se encaixem adequadamente no refrigerador.   

Afinal, por que a garrafa de 750ml é a padrão?

Uma das teorias mais consolidadas sobre a metrificação da garrafa de vinho a partir de 750ml está vinculada às práticas comerciais. Os franceses de Bordeaux, a princípio, utilizavam barricas de 225 litros para armazenar e vender o vinho. Cada barrica equivalia a 300 garrafas de 750ml.

Isso facilitava a comercialização da bebida com outros países. Especialmente com o Reino Unido, principal importador do vinho francês durante o século XIX e que utilizava um sistema diferente do métrico. Os ingleses empregavam o galão (gallon), que equivalia a 4,5 litros aproximadamente, isto é, em uma caixa contendo seis garrafas de 750ml.

A garrafa Bordeaux de 750ml é prática para estocar e transportar o vinho, sendo o modelo padrão adotado para o mercado global. Foram projetadas para tintos das uvas típicas de Bordeaux, como Cabernet Sauvignon ou Merlot, que envelhecem por longos períodos nas adegas e acabam por acumular sedimentos. O ângulo dos ombros impede que esses sedimentos escorram para a taça na hora do consumo.

Outros formatos de garrafas

Embora a quantidade de 750ml tenha sido preservada como unidade métrica do vinho, o formato das garrafas em si se diferencia de acordo com a região em que são produzidas. Alguns dos modelos clássicos são:

Borgonha

Além de da garrafa Bordeaux, a Borgonha também é utilizada em larga escala na produção de tintos e brancos, especialmente quando falamos em uvas típicas da Borgonha, como o Pinot Noir e Chardonnay. Trata-se de um recipiente mais alongado, de ombros caídos (uma vez que acumula menos sedimentos), com formato arredondado, quase cônico.

Champagne

Muito semelhante à garrafa de Borgonha, também de ombros caídos e pescoço longo, porém com o vidro obrigatoriamente mais grosso e fundo côncavo para suportar a pressão interna causada pelo dióxido de carbono. É também o padrão utilizado para envasilhar espumantes.

Renana

De corpo alongado, ombros bem caídos e pouco delineados, surgiu no Vale do Rio Reno (daí seu nome), que passa pela Alemanha, Áustria, Suiça e França. É usada sobretudo em vinhos brancos, como o Riesling. Seu uso foi adotado como padrão de tintos e brancos da Alsácia, e por isso também é conhecida como garrafa “Alsácia”.  

Do Porto

Típico de Portugal, o vinho do Porto vai em garrafas mais baixas e maciças, de ombros bem acentuados, com pescoço e corpo bem robustos. Seu formato indica também uma bebida mais encorpada. 

Das pequenas às gigantes de proporções bíblicas

Além da pluralidade em formato das garrafas, o vinho também é comercializado nas mais diversas quantidades, não se limitando às unidades de 750ml. As maiores, tradicionalmente, passaram a receber nomes próprios, inspirados em personagens bíblicos, e já fazem parte da cultura de apreciação ao vinho. As garrafas gigantes geralmente são reservadas para safras especiais ou eventos comemorativos. O ato de abri-las e servi-las costuma ser um acontecimento a parte. 

Veja os diferentes tamanhos e nomes das garrafas:

Piccolo, Pony ou Split (187ml e equivale a ¼ da garrafa padrão)

Na Língua Italiana, piccolo significa pequeno. Essa garrafa diminuta serve pouco mais de uma taça, usada normalmente para vinhos espumantes.

 

Metade ou Demi (375ml e equivale a ½ da garrafa padrão)

Demi, em Frânces, significa meio (ou meia). Adequada para um consumo individual. Trata-se da dose diária saudável de vinho aceita pela medicina. 

 

Padrão (750ml)

Como já abordado anteriormente, a garrafa Bordeaux de 750ml é usada globalmente como a garrafa padrão de vinho. Suas dimensões são 292mm x 75mm.

 

Magnum (1,5L e equivale a 2 garrafas padrão)

A expressão em latim Magnum significa “grande”, e é o que define essa garrafa duas vezes maior que a padrão. Presença marcante em leilões de colecionadores e celebrações.

 

Jeroboão (3L e equivale a 4 garrafas padrão)

A partir dos 3 litros, as garrafas de vinho começam a ser reconhecidas por nomes bíblicos e lendários. Também são nomeadas de “garrafas gigantes”. Jeroboão foi o primeiro rei de Israel após a morte do rei Salomão e a subsequente divisão do reino.

 

Roboão (4,5L e equivale a 6 garrafas padrão)

Grande garrafa que contém geralmente vinho espumante. Roboão foi descendente de Davi e Salomão e reinou sobre a Judeia após Jeroboão reivindicar Israel. 

 

Matusalém (6L e equivale a 8 garrafas padrão)

Também conhecido como o homem que mais tempo viveu sobre a Terra (969 anos), Matusalém foi avô de Noé. Como a anterior, essa garrafa normalmente é usada para espumantes.

 

Salmanasar (9L e equivale a 12 garrafas padrão)

Salmanasar foi um antigo rei assírio, sendo lendário por suas conquistas e habilidades construtivas.  

 

Balthazar (12L e equivale a 16 garrafas padrão)

Geralmente lembrado como um dos três reis magos, Balthazar é citado na Bíblia também como filho de Nabucodonosor. Foi o último rei da Babilônia.  

 

Nabucodonosor (15L e equivale a 20 garrafas padrão)

Uma garrafa que atinge a excepcional marca de 15 litros leva o nome do mais célebre imperador babilônico. Sobre seu governo foi erguida umas das sete maravilhas do mundo antigo, os Jardins Suspensos da Babilônia.

 

Há ainda garrafas superlativas que ultrapassam os 15 litros, como a Salomão ou Melquior (18L) e a Midas ou Melquisedeque (30L). Essa riqueza no próprio ato de criar e batizar garrafas inusitadas demonstra a criatividade do vinho, de seus cultores e apreciadores.

Que tal abrir uma garrafa?

Voltar para blog